Tagarelas

quinta-feira, 29 de março de 2012

Mais um ano que passa...

Quando  era mais nova, li numa revista um poema que me ficou marcado na memória e ainda hoje penso nele:

"A Felicidade bateu em minha porta
Vacilei e não abri
Pensando que era a Saudade que vinha me perseguir.
Bateu novamente e, desta vez, com mais força
E não mais insistiu
Desceu as escadas correndo e para sempre partiu.
Partiu deixando na porta algumas palavras fatais:
-Eu sou a Felicidade e não volto nunca mais..."

Hoje, dia em que completo 29 anos, e depois de um ano particularmente dificil, começo a crer que é verdade...que a felicidade me bateu à porta e foi-se embora por meu descuido.
Gostava de provar o contrário,mas está a ser mais complicado do que eu pensava ser.
Ficaste com a tua familia, o que é compreensivel. Mas podias ter-nos dado uma hipótese, 500Km não são nada quando se ama de verdade.
Continuo a sonhar contigo e a sofrer quando acordo e dou conta que era só mais um sonho. Não deixo nenhum homem aproximar-se com medo de sofrer outra vez e porque lá no fundo ainda acredito que vais dar conta do erro que cometeste e procurar por mim.
Vais bater-me à porta e dizer:
- Eu sou a Felicidade e vim para ficar...

quarta-feira, 28 de março de 2012

As minhas primeiras peças em tricô.

Tal como já vos contei, aprendi tricô enquanto era inverno e não havia nada para fazer aqui por perto.
A minha primeira "obra prima" foi um gorro de bebé,custou, mas passado dois dias tava pronto.


Aproveitei para o oferecer à minha amiga Cláudia Mestre, que ía ter uma bebé...A nossa amada Anita.

Passadas as últimas dificuldades em perceber certos pontos, fiz um gorro e um cachecol com a mesma lã do anterior, mas para oferecer à minha sobrinha Íris.


E com isto começaram os pedidos da sobrinha querida, que quer tudo a que tem direito... Miúda mimada!!!
Mais um cachecol mas tinha de ser colorido, dizia ela...Lá teve a minha irmã de ir comprar lã e mandar-ma por correio.


A seguir como não consigo estar quieta um momento, lembrei-me de complicar a minha vida.
E que melhor forma de o fazer do que fazer um poncho com um gorro a condizer?



Mais uma vez para a minha sobrinha.
Com estas coisitas, a cada dia que passava mais ela queria. Pantufas de todas as formas e de todas as cores. Umas pantufas a lembrar o Aladino...


Umas botas arco-íris, com bonequinhas a enfeitar dos lados. (Estas fizeram furor...passa a vida a querer andar de pantufas. Só lhe faltava ir para a escola com elas nos pés.)


E depois para completar o visual...umas caneleiras com bolinhas penduradas.


Para a Anita lembrei-me de fazer mais um gorro, mas desta vez a lembrar um gatinho com as orelhinhas ...O problema foi tê-lo feito em rosa...(a minha mana Cláudia odeia rosa).


E para completar o visual da bebé umas botinhas...outra vez em rosa,lool.
Eu sei, a minha mana Cláudia um dia vem cá a cima só para me bater...


Depois fiz umas em amarelo, para compensar a minha irmã e a sua paciência em aceitar as minhas brincadeiras em cor de rosa.


 As únicas meinhas que fiz, foram também elas em ponto pequeno para a Anita, mas desta vez eu não tive culpa. Não tinha mais lã nenhuma em casa a não ser esta rosa choque que a minha mãe me deu.

 Para melhorar a prática, fiz estas pantufas vermelhas para a minha irmã Bela. E só para chatear a minha sobrinha coloquei-lhes umas bonequinhas em cima.


 Para acabar fiz este vestidinho também para a minha Anita. Mas vai ter de esperar porque este ficou um bocadinho grande...


Espero que gostem destas coisinhas, com as quais tenho aproveitado para passar tempo e que me têm ajudado a manter a minha mente saudável.
Aproveito para vos dizer que se aceitam encomendas. Basta pedirem que eu faço e mando por correio a pagar no destino. Claro que se quiserem podem pedir um orçamento primeiro.
Para encomendas, orçamentos e outras dúvidas encontrem-me no facebook:
https://www.facebook.com/#!/Adilia.Agua

Grandes mudanças

Pois é, desde a última vez que aqui escrevi, muita coisa mudou na minha vida.Resumindo...
Descobri ser enganada e por isso divorciei-me.(A melhor decisão da minha vida, mas também a mais dificil).
Perdi a minha casa para o banco por impossibilidade de pagar uma mensalidade tão grande.
Com isso, tive de mudar de casa. Mudei-me para casa dos meus pais em Trás-os-Montes, junto com os meus filhinhos. Também esta foi uma mudança muito dificil, sair de uma vida sempre vivida numa cidade para uma vida no campo.
Acabei o meu curso e finalmente tenho o 12º ano.
Descobri que os homens não prestam MESMO, nem a pensão de alimentos dos seus filhos querem pagar...
Aprendi a fazer trapilho, diverti-me a fazer uns tapetes, mas durou pouco o gosto por uma arte que deixa marcas nos dedos.
Aprendi a fazer tricô, e desde então faço roupinhas e acessórios em especial para bebés.
Descobri que as crianças são mais fortes do que todos nós pensamos e que aguentam mudanças e dificuldades melhor que muitos adultos.
Descobri que o amor é um sentimento tramado... Pensei ter-me apaixonado por alguém, mas mais uma vez fiquei desiludida com essa pessoa. Disse amar-me, ter percebido que eramos almas gémeas, mas a distância veio revelar algo que eu já suspeitava:
-Era tudo uma ilusão...(continuo a amar-te como se ainda ontem tivessemos estado juntos com os nossos filhos).
Descobri ainda que posso amar os filhos de alguém como se fossem meus.
Mas o mais importante, foi descobrir que me amo a mim mesma, e que sou importante para quem mais me importa na vida, os meus filhos. E como eles dizem, eu mereço ser Feliz!!!
Ocorreu um erro neste dispositivo